• HUGO SENNA

Vício em WhatsApp? É mais comum que imaginamos

O WhatsApp ultrapassou a 1,5 bilhão de usuários, segundo o anuncio do CEO Mark Zuckerberg, são mais de 30 bilhões de mensagens por dia, e lidera o ranking , quando o assunto é vício em redes sociais, a interação quase instantânea atrai muitos dedos e olhares, e tem um importante papel na sociedade, as informações ficaram mais rápidas, problemas são resolvidos com mais agilidades, com um baixo custo, é possível se conectar com pessoas que antes não tínhamos contato, mas tudo term o seu lado ruim, e essa tecnologia não ficou de fora, tem deixado muitos de seus usuários dependentes, o nome desse vício é nomofobia , e segundo a reportagem da Época não se restringe apenas ao vício em comunicadores de mensagens, como o WhatsApp, mas também em internet, celular e redes sociais, como o Facebook. Se você passa o dia conectado, não se preocupe tanto. O que define essa dependência digital não é só o tempo que o usuário permanece online, mas se o mundo virtual tomou ou não controle de sua vida real.

“Todo dependente digital usa muito a tecnologia, mas nem todo mundo que usa muito é dependente. O importante é usar de forma consciente”, afirma o pesquisador Eduardo Guedes, membro do Instituto Delete, núcleo de pesquisa em “detox digital” vinculado ao Instituto de Psiquiatria da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

De acordo com o especialista, a relação dos usuários com a tecnologia pode ser dividida em três categorias: o uso consciente, em que o virtual não atrapalha o real; o uso abusivo (por lazer ou trabalho), em que a vida real começa a ser prejudicada; e o uso dependente, quando já há um alto nível de perda de controle. “Tem gente que deixa de viajar porque não vai ter acesso à internet, por exemplo”, diz Guedes.

Vamos aos sintomas físicos da Monofobia:

Perda de apetite e de sono, irritabilidade, depressão e ansiedade, por exemplo, já são notados em usuários que, por algum motivo, perdem acesso ao dispositivo ou aplicativo querido.

“Nove em cada dez pessoas, quando esquecem o celular em casa, voltam para buscar. E isso é absolutamente normal”, afirma o pesquisador. “Mas uma parte desses nove vai sentir taquicardia, ansiedade, sudorese, etc., até recuperar o telefone. São os sintomas da perda de controle.”

Já existe até tratamento, no Rio de Janeiro, o Instituto Delete oferece tratamento gratuito contra a nomofobia no campus da UFRJ. O atendimento, aberto ao público, acontece todas as sextas-feiras, das 8h ao meio dia, por ordem de chegada. “Fazemos uma triagem com cada um e medimos seu nível de relação com a tecnologia”, diz Guedes. “Uma vez constatada a dependência digital, o usuário recebe um tratamento de, em média, 8 sessões, à base de terapia comportamental e cognitiva. Nos casos mais graves, sugerimos até medicamentos.”

Então fique ligado, viva mais a vida real do que a virtual.

(Foto: Thinkstock)

Fonte: https://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/08/voce-e-viciado-em-whatsapp-faca-o-teste.html

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo